Home

FLAI e UILA votam a favor de greve na joint-venture italiana JBS Inalca

21 January 2010 News
Versión para impresora

As negociações para a renovação da convenção coletiva no maior matadouro de Inalca em Castelvetro (Modena), Itália, foram interrompidas em 22 de dezembro de 2009.

Em 14 de janeiro de 2010, uma esmagadora maioria dos trabalhadores de Inalca - representados pelas organizações italianas filiadas à UITA – FLAI-CGIL e UILA-UIL – votaram a favor de uma greve de 16 horas que vai começar nas semanas seguintes. A greve é em protesto contra a falta de vontade da empresa para chegar a um acordo e pelas suas pobres propostas. A convenção coletiva de JBS-Inalca para Castelvetro expirou em 31 de dezembro de 2008 e, depois de 7 reuniões de negociação, a proposta da empresa foi rejeitada. "A empresa se recusa a aceitar as medidas coletivas e os direitos individuais que são plenamente reconhecidos por várias outras empresas similares à JBS-Inalca" disseram os dois sindicatos. Aceitar a posição da empresa "faria retroceder dez anos as relações entre sindicatos e empresa", acrescentaram.

FLAI e UILA também condenam o insuficiente oferecimento em prêmios de produtividade apontando que "a JBS-Inalca basicamente tem indeferido o papel da negociação e a convenção coletiva como instrumento-chave para proteger o poder de compra dos trabalhadores e aumentar a participação deles nas decisões da empresa".

Inalca opera outro matadouro em Lodi e duas unidades de transformação em Gazzoldo degli Ippoliti (Mantova) e em Valtellina. A deterioração das relações sindicato-empresa também é conseqüência do nível, anormalmente elevado e sistemático, de tercerização de fases-chave nas operações de abate e de transformação. Nos matadouros de Castelvetro e Lodi a maioria dos trabalhadores nas unidades não estão empregados diretamente por Inalca, mas por contratantes externos, trabalhando lado a lado com os trabalhadores regulares em condições precárias de emprego e muito mais pobres, em violação da convenção coletiva nacional italiana para o setor agro alimentar. Até hoje a gerência de JBS-gestão Inalca tem se recusado a lidar com esta situação que está criando um profundo sentimento de injustiça no local de trabalho.

Em 2007, JBS líder mundial brasileiro de carne adquiriu 50% das operações de abate e processamento de carne em Inalca, pertencente ao líder italiano e europeu de carne, Gruppo Cremonini. JBS mantém uma opção prioritária de compra sobre a joint-venture Inalca.